BALANÇA COMERCIAL DA INDÚSTRIA GRÁFICA - DEZEMBRO 2013

Análise do Resultado da Balança Comercial da Indústria Gráfica Brasileira

De acordo com dados divulgados pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em 2013 as exportações brasileiras somaram US$ 242,2 bilhões e as importações US$ 239,6 bilhões. O saldo comercial foi superavitário em US$ 2,5 bilhões. A indústria gráfica brasileira participou nas exportações e importações do País com, respectivamente, 0,12% e 0,23% do total.

No ano, o Brasil exportou US$ 279,1 milhões e importou US$ 548,6 milhões em produtos gráficos, correspondentes a 88,4 mil e 101,5 mil toneladas de produtos, respectivamente. O resultado foi um déficit no saldo comercial de US$ 269,5 milhões, 13% maior do que em igual período de 2012.

Ao expor o mês de dezembro em destaque, as exportações apresentaram valor de US$ 20,3 milhões, equivalentes a aumento de 2% em relação ao mês anterior e a queda de 15% contra o mesmo período de 2012. As importações, por sua vez, somaram US$ 36,6 milhões, apresentando retração de 8% em relação ao mês anterior e aumento de 9% frente ao mesmo período de 2012. O saldo comercial registrou marca deficitária de US$ 16,3 milhões.

Grafico-balanca-comercial-dezembro

Em termos monetários, embalagens foi o segmento que mais exportou no período – US$ 108,1 milhões e 66,9 mil toneladas, correspondentes a 38,7% das exportações gráficas, apesar do recuo de 0,2% no volume exportado em 2012. Pela ordem, os principais importadores das embalagens brasileiras foram Venezuela (23%), Uruguai (19%) e Argentina (8%).

Cartões impressos destacou-se como segundo segmento com melhor desempenho monetário. Respondeu por 34% do total exportado pelo setor no ano, equivalentes a US$ 95,9 milhões e 813 toneladas. Apesar desse desempenho, o segmento recuou 9% frente ao ano anterior. Argentina (25%), Chile (19%) e Equador (11%) constituíram os principais destinos dos cartões impressos brasileiros.

O segmento de cadernos, terceiro maior exportador do setor, com 11% do total, teve performance monetária 3% superior em relação a 2012. Suas exportações somaram US$ 30,7 milhões e 17,1 mil toneladas. Estados Unidos (70%), Porto Rico (5%), Paraguai e República Dominicana (com 4% cada) foram os maiores compradores.

No outro extremo da balança, as importações de produtos gráficos concentraram-se em itens editoriais (como livros e revistas), equivalentes a 34% do total. As compras nesse nicho corresponderam a US$ 185,9 milhões e 28 mil toneladas – monetariamente, houve redução de 2% em relação a 2012. China (28%), Hong Kong e Estados Unidos (com 15% cada) foram os principais beneficiados pelas importações brasileiras de produtos editoriais.

As importações de produtos do segmento de cartões ocuparam a segunda posição do ranking, com 25% do total, correspondentes a US$ 107,7 milhões e 955 toneladas. Em valores, houve redução de 5% ante 2012. As principais origens dessas importações foram Suíça (39%), Estados Unidos (26%) e França (9%).

Embalagens formaram o terceiro principal bloco de produtos gráficos importados, com 20% do valor total. As transações no período atingiram US$ 136,5 milhões e 58,5 mil toneladas – 8% superiores às importações de 2012. Os principais fornecedores internacionais foram China (34%), Alemanha (13%) e Espanha (10%).

Última atualização: jan/2014.
Fonte: MDIC/SECEX. Elaboração: Departamento de Estudos Econômicos. (DECON/ABIGRAF)

Clique nas seções abaixo para ter acesso aos documentos econômicos que deseja.