ELEIÇÕES MOVIMENTAM GRÁFICAS E FATURAMENTO AUMENTA

3ª Pesquisa da ABIGRAF sobre os impactos da pandemia revela clima de otimismo no setor gráfico, mesmo com insumos cada vez mais caros, que prejudicam retomada consistente dos negócios. 

A terceira pesquisa ABIGRAF sobre os impactos da pandemia nos negócios revela que as eleições desse ano foram um alento para boa parte das empresas: 51% das gráficas do país produziram materiais de campanha e 33,4% delas registraram aumentos superiores a 30% no faturamento.

O otimismo dos gráficos com a retomada da economia também merece destaque: 70% das empresas esperam ter faturamento maior do que em 2020, mesmo com 34,2% delas registrando queda nos negócios entre 60 e 70% em 2020, se comparado com o faturamento em 2019.

A venda de produtos gráficos pela internet, que já fazia parte do portfólio de 27% das empresas, cresceu 14%. Enquanto isso, 35% das empresas pretendem aderir ao e-commerce em breve, contra 24% de gráficas que não vão adotar esse modelo de vendas.

A capacidade de produção das empresas gráficas brasileiras é bem maior do que a atual demanda: 68% das empresas estão com equipamentos ociosos e podem aumentar a produção.

Para o presidente da ABIGRAF, Levi Ceregato, o clima de otimismo se justifica porque em 2021, sem eleições, o Congresso deve acelerar a aprovação das reformas e o foco será em solucionar os problemas do país. “O dado mais positivo da pesquisa é em relação ao emprego, porque 53% das empresas não demitiram ninguém e apenas 20% das empresas que demitiram ainda não recontrataram, mas esperam fazê-lo em 2021. Estamos preparados para crescer e temos criatividade e poder de inovação para isso”, afirma Ceregato, que lamenta o aumento médio de 20% nos preços dos insumos gráficos, relatado por 96% das empresas do setor.

Seguindo a tendência das duas primeiras pesquisas, 33% das gráficas incorporaram novos segmentos e conseguiram manter os negócios ativos. Embalagens em geral (principalmente para e-commerce), rótulos e etiquetas e serviços digitais para empresas foram os segmentos preferidos dos empresários).

Para ter acesso ao resultado completo da pesquisa, clique aqui.