03 de agosto de 2020

Pesquisa revela o “novo normal” da indústria gráfica brasileira

Gráficos se reinventam e apostam nas novas tendências de atuação no mercado.

Em meio à crise econômica gerada pela pandemia da COVID-19, parcerias comerciais e ampliação dos segmentos de atuação começam a ganhar força entre as empresas gráficas brasileiras. É o que revela a 2ª Pesquisa sobre o Impacto da COVID-19 na Indústria Gráfica.

Mais de duzentas empresas responderam à pesquisa. Desde que a pandemia começou, 32,2 % delas passaram a produzir impressos em parceria com outras gráficas, o que até então era difícil de acontecer. “Com a crise, muitas empresas estão buscando soluções para sobreviver. A troca de trabalhos tem se mostrado uma saída eficiente para manter os parques gráficos funcionando. Isso é praticamente inédito no mercado gráfico e mostra um amadurecimento de nossos empresários, que perceberam que é possível somar forças para que todos saiam ganhando. Dividir para multiplicar”, explica Levi Ceregato, presidente da ABIGRAF. A pesquisa mostrou que apenas 9,8% das empresas não têm interesse em aderir a um eventual modelo de cooperativa, se viabilizado num futuro próximo, 48,6% aceitariam imediatamente e 41,6% responderam talvez à questão.

O home office será adotado por 5,1% das gráficas. Outros 27,6% das empresas pretendem manter parte de seus funcionários trabalhando em casa após a pandemia, 27,1% pretendem voltar normalmente ao trabalho e 40,2% das empresas mantiveram seus funcionários trabalhando normalmente desde o início do confinamento.

Para tentar combater os efeitos da crise econômica, 20,6% das gráficas passaram a atuar em segmentos diferentes. Um dos nichos mais procurados pelas empresas, para atender a demanda provocada pela pandemia, foi a produção de materiais que diminuem o contágio do Coronavírus, como máscaras, displays e totens de álcool em gel, aventais e materiais de sinalização, educação e embalagens para comida. 43% das empresas adaptaram suas linhas de produção para fabricar esses produtos.

EFEITOS DA CRISE

Os efeitos da crise econômica se agravaram desde a primeira edição da pesquisa, realizada em abril. A queda no faturamento, antes registrada por 92% das empresas, hoje atinge 94,4% delas. 79% das empresas registraram queda nos volumes de produção, 53,7% sofrem com a inadimplência de clientes e 40,2% tiveram pedidos cancelados.

“Já vínhamos em crise desde 2012, mas a pandemia está causando grandes estragos em toda a indústria gráfica. O faturamento do setor em 2020 deve ser no mínimo 50% menor do que em 2019 e isso tem reflexos imediatos em toda a cadeia produtiva e no nível de emprego”, afirma Sidney Anversa Victor, presidente da ABIGRAF – SP. Em abril, 56% das empresas colocaram seus funcionários em bancos de horas ou férias. Até o final de junho esse percentual subiu para 65%. O ritmo das demissões continua alto, porém caiu de 65% das empresas demitindo em abril para 40,7% demitindo em junho.

O acesso ao crédito para folha de pagamento e capital de giro continua sendo um grande empecilho para as empresas saldarem suas dívidas. Se em abril 55% das empresas tentaram e não conseguiram empréstimos com as linhas de crédito anunciadas pelo governo, em junho 25,7% delas continuavam enfrentando o mesmo problema. “A burocracia e o excesso de exigências do governo são o maior empecilho. Mas há também o spread bancário, que fez com que as taxas de juros sejam até 3 vezes maiores nos bancos privados do que aquelas anunciadas pelo governo”, comentou Levi Ceregato.

Se em abril 75% das empresas já haviam optado pela prorrogação do pagamento de impostos e tributos, em junho o percentual subiu para 82,2%. As medidas emergenciais anunciadas pelo governo para auxiliar as empresas foram ótimas para 17,8% dos empresários, boas para 43%, regulares para 29% e péssimas para 10,3% deles.

Para acessar os resultados completos da pesquisa, clique aqui.

Noticias Relacionadas

12 de abril de 2024

Cristhine Samorini destaca crescimento do setor industrial no estado na BandNews

Cristhine Samorini, Presidente da ABIGRAF Regional Espírito Santo e da FINDES (Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo), e diretora financeira da CNI (Confederação Nacional da Indústria), foi entrevistada no último dia 10 de abril (quarta-feira) pelo Canal BandNews, em São Paulo.

Leia mais
12 de abril de 2024

Abigraf-RS e Sindigraf-RS passam a atuar na Fiergs

Para aumentar a conexão com a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), a Diretoria, o Conselho Fiscal e as equipes do Sindigraf-RS e da Abigraf-RS passaram a atender na sede da entidade, em Porto Alegre/RS, […]

Leia mais
12 de abril de 2024

ABIGRAF-SC divulga regulamento do 6º Prêmio Catarinense de Excelência Gráfica

A ABIGRAF-SC acaba de lançar o regulamento do 6º Prêmio Catarinense de Excelência Gráfica que, neste ano, traz novidades com a criação de um novo segmento e categoria direcionados ao processo de Impressão Digital. Ao todo, as empresas gráficas catarinenses […]

Leia mais